Deixando o website

Você está saindo do site informativo de pré-diabetes da Merck. Este link levará você a um site ao qual nossa política de privacidade não se aplica. A Merck não tem controle sobre o conteúdo desses sites ou recursos, e não tem responsabilidade por eles ou por qualquer perda ou dano que possa advir do uso deles

Apoio

Apoio

Baixe o infográfico de pré-diabetes aqui e imprima-o para aumentar a conscientização sobre pré-diabetes.

 

 

 

 

 

Baixe o infográfico de pré-diabetes aqui e imprima-o para aumentar a conscientização sobre pré-diabetes.

 

Perguntas Frequentes

 

Pré-diabetes, algumas vezes também referido como diabetes limítrofe ou hiperglicemia intermediária, é uma patologia em que os níveis de glicose estão mais altos do que o normal, mas não altos suficiente para serem classificados como diabetes tipo 2.1

 

A diferença entre o pré-diabetes e o diabetes se encontra no nível de glicemia das duas patologias. O teste mais fácil é medir a glicemia de jejum. Este é um teste que mede o nível de glicose no sangue quando a pessoa não tiver comido nem bebido nada durante ao menos 8 horas. De acordo com as diretrizes da ADA, um nível de glicemia de jejum entre 100-125 mg/dL indica que você é pré-diabético. Um nível de glicemia de jejum de mais de 125 mg/dL indica diabetes tipo 2. É importante salientar que, se o pré-diabetes não for identificado e persistir, pode eventualmente evoluir para diabetes tipo 2.2 Observe que as diretrizes podem variar em países diferentes.

 

Geralmente não há sinais ou sintomas visíveis associados ao pré-diabetes2 No entanto, algumas pessoas com pré-diabetes podem já apresentar alguns sintomas do diabetes.2 Se você é pré-diabético, é muito importante estar ciente dos sintomas do diabetes. Se você observar algum destes sintomas, certifique-se de visitar seu médico. Os sintomas incluem:3

  • Micção frequente
  • Sensação de muita sede
  • Sensação de muita fome, apesar de ter se alimentado
  • Cansaço extremo
  • Visão turva
  • Cicatrização lenta
  • Dormência, formigamento, ou dor nas mãos/pés

Há vários grupos de pessoas que geralmente estão em maior risco de desenvolver pré-diabetes do que outros. Se você se enquadrar em uma das categorias de risco descritas abaixo, pode ser uma boa ideia fazer exames regulares de saúde. 4

  • Estar acima do peso
  • Falta de atividade física
  • Pessoas com idade igual ou superior a 45 anos
  • História familiar de diabetes tipo 2
  • Histórico de diabetes gestacional
  • Pessoas pertencentes a determinados grupos étnicos, como africanos, nativos americanos, latino-americanos ou habitantes das ilhas do Pacífico/asiáticos
  • Pessoas que tenham a pressão arterial elevada (por ex., acima de 140/90 mmHg)
  • Pessoas que têm o colesterol HDL (bom colesterol) abaixo de 35 mg/dL (0,90 mmol/L) e/ou um nível de triglicerídeos acima de 250 mg/dL (2,82 mmol/L)
  • Síndrome do ovário policístico (SOP)

Os genes provavelmente têm um papel importante no desenvolvimento do pré-diabetes5 uma vez que a história familiar é um fator de risco consistente; no entanto, também é provado que seu estilo de vida tem um enorme impacto.4 Por esta razão, se você fizer mudanças em seu estilo de vida agora,você poderia evitar o diabetes no futuro!

 

A resistência à insulina desenvolve-se lentamente ao longo do tempo, o que leva à perda da capacidade de controlar os níveis de glicemia, mas o que desencadeia este processo individualmente é frequentemente desconhecido. Entretanto, se você está acima do peso, não é fisicamente ativo, e tem uma história familiar de diabetes, você está mais propenso  a tornar-se pré-diabético.4

 

A boa notícia é que você pode fazer algo para evitar ou retardar o diabetes.A glicemia elevada em pessoas com pré-diabetes pode ser revertida se identificada suficientemente cedo. No entanto, se o pré-diabetes não for identificado e controlado, é muito provável que progrida para diabetes tipo 2.6

 

A prevalência mundial dopré-diabetes  em 2010 foi estimada em 7,8% da população mundial (aproximadamente 343 milhões de pessoas). Esta prevalência parece variar ligeiramente nas diferentes partes do mundo, variando de 5,8% no sudeste asiático até 11,4% na América do Norte e países do Caribe.1 O CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) estima que o pré-diabetes afeta 86 milhões de americanos (49% dos quais se encontram na faixa etária abaixo de 65 anos).7 É importante salientar que é estimado que 90% das pessoas com pré-diabetes desconheçam completamente que são pré-diabéticas!7 A IDF (Federação Internacional de Diabetes) estima que o pré-diabetes vai se tornar mais comum nos próximos anos, e irá afetar até 471 milhões de pessoas ao redor do mundo em 2035!1

 

Se você pensa que pode ser pré-diabético, você deve visitar seu médico. Seu médico provavelmente vai orientar intervenções no estilo de vida como um aumento da atividade física, alimentação com uma dieta balanceada e/ou perda de peso. Estas mudanças no estilo de vida  também irão ajudá-lo a evitar outros problemas de saúde, como doença cardíaca e acidente vascular cerebral, doenças que também estão ligadas ao desenvolvimento do diabetes tipo 2.7 Se as mudanças no estilo de vida isoladamente não forem capazes de controlar seu nível de glicemia, seu médico também pode discutir medicações que possam ajudar.6

 

O pré-diabetes é um sinal de aviso de que você está em risco de desenvolver diabetes tipo 2. No entanto, visitando seu médico e seguindo sua orientação em relação ao estilo de vida ou as recomendações de tratamento, você possivelmente pode reverter o pré-diabetes e diminuir sua glicemia para que fique dentro dos valores normais.8 O pré-diabetes pode ser seu sinal de alerta; é hora de fazer mudanças.

 

O risco de desenvolver pré-diabetes pode ser reduzido pela escolha de alimentos mais saudáveis (como limitar a ingestão de alimentos não saudáveis e se alimentar com mais frutas, vegetais, e outros alimentos que sejam ricos em nutrientes e fibras), sendo mais ativo fisicamente, e perdendo o peso corporal em excesso.2,8

 

É difícil saber se você tem pré-diabetes porque não há sinais ou sintomas visíveis.2 A única maneira de saber é verificando seus níveis de glicemia . Entretanto, você está em risco mais alto do que o normal de apresentar pré-diabetes se você estiver acima do peso, tiver uma história familiar de diabetes, não praticar atividade física regularmente, tiver pressão arterial elevada ou colesterol elevado.4 Se você se encontrar em alguma destas categorias e pensar que possa ter pré-diabetes, fale com seu médico.3,4  Faça o teste e descubra se você está em risco de pré-diabetes.

 

Para descobrir se você tem pré-diabetes, seu médico vai verificar sua história médica, realizar um exame físico e testar seus níveis de glicemia. Os exames de sangue utilizados para identificar o pré-diabetes incluem o teste de glicemia de jejum (FPG), um teste de hemoglobina A1c (HbA1c), e um teste oral de tolerância à glicose (TOTG).9,10

 

Parao teste de glicemia de jejum (FPG), o nível saudável de glicemia de jejum deve ser abaixo de 100 mg/dL. Se sua concentração de FPG estiver entre 100 e 125 mg/dL, você é considerado como pré-diabético.2

Para o teste oral de tolerância à glicose  (TOTG), sua glicemia é medida 2 horas após beber uma bebida rica em glicose. Os níveis normais de glicose são abaixo de 140 mg/dL. Se sua leitura do TOTG estiver entre 140 e 199 mg/dL, você é considerado pré-diabético.2

Para saber mais sobre pré-diabetes e se você pode estar em risco, procure seu médico.



1. Bansal N. Prediabetes diagnosis and treatment: A review. World J Diabetes. 2015; 6(2): 296-303.

2. ADA. Diagnosing Diabetes and Learning About Prediabetes. 2014. Available at: http://www.diabetes.org/are-you-at-risk/prediabetes/. Accessed September 2017.

3. ADA. Diabetes Symptoms. Available at: http://www.diabetes.org/diabetes-basics/symptoms/ Accessed September 2017.

4. Diabetes Care. Standards in Medical Care in Diabetes—2015. Available at: http://care.diabetesjournals.org/content/suppl/2014/12/23/38.Supplement_1.DC1/January_Supplement_Combined_Final.6-99.pdf. Accessed September 2017

5. Mijajlovic MD, et al. Role of prediabetes in stroke. Neuropsychiatr Dis Treat. 2017; 13: 259-267.

6. Arch G. Mainous III P, Rebecca J. Tanner, MA, and Richard Baker, MD. Prediabetes Diagnosis and Treatment in Primary Care. Journal of the American Board of Family Medicine. 2015; 29: 283-285.

7. CDC. The Surprising Truth About Prediabetes. 2017. Available at: https://www.cdc.gov/features/diabetesprevention/index.html. Accessed September 2017.

8. Faerch K, et al. Pathophysiology and aetiology of impaired fasting glycaemia and impaired glucose tolerance: does it matter for prevention and treatment of type 2 diabetes? Diabetologia. 2009; 52(9): 1714-1723.

9. Tabak AG, et al. Prediabetes: a high-risk state for diabetes development. Lancet. 2012; 379(9833): 2279-2290.

10. Chatterjee R, et al. Screening adults for pre-diabetes and diabetes may be cost-saving. Diabetes Care. 2010; 33(7): 1484-1490.